Marina S. R. Almeida
Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
(13) 34663504
R. Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
CEP 11310-071
marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
www.institutoinclusaobrasil.com.br

Principais Instrumentos Diagnósticos Para Avaliar Crianças com Autismo – TEA
O diagnóstico do autismo é clínico, portanto baseamos nossa observação nos indicadores de desenvolvimento e na história da criança ou adolescente.
Foram criados ao longo dos anos vários instrumentos (escalas, inquéritos, inventários e testes) que procuram sistematizar a maneira de diagnosticar o transtorno do espectro autístico.
Essas tentativas de padronizar o diagnóstico utilizam duas fontes principais de informação:
a) descrições dos pais sobre o curso do desenvolvimento e padrões de comportamentos atuais da criança ou adolescente;
b) informações a partir da observação direta do comportamento da criança ou adolescente.
No Estado de São Paulo foi criado um Manual Protocolo para Diagnóstico de TEA que auxilia os profissionais da saúde a nortearem a pesquisa diagnóstica:
Download do Manual:
http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/profissional-da-saude/homepage//protocolo_tea_sp_2014.pdf
Triagem Precoce para Transtorno do Espectro Autista produzido pelo Departamento Científico de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento da SBP.
Download do Manual:
http://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/triagem-precoce-para-autismo-transtorno-do-espectro-autista/
Os instrumentos diagnósticos mais utilizados para avaliação do Transtorno do Espectro Autista são descritos a seguir:
  • Childhood Autism Rating Scale – CARS (Escala de avaliação para Autismo Infantil) – Schopler et al., 1980.
A CARS é baseada nas definições de autismo apresentadas por Rutter, Ritvo e Freeman.
Os aspectos comuns entre essas definições são: i) desenvolvimento social comprometido em relação às pessoas, objetos e acontecimentos; distúrbio da linguagem e habilidades cognitivas; início precoce do transtorno, antes dos 30 meses de idade.
A escala é um instrumento para observações comportamentais, sendo administrada na primeira sessão de diagnóstico. É composta por 15 itens, sendo que cada um deles é  pontuado num continuum, variando do normal para gravemente anormal, todos contribuindo igualmente para a pontuação total. De acordo com o manual da CARS, o autismo é caracterizado por um resultado ³ 30 pontos, em uma escala que varia de 15 a 60 pontos, sendo que o intervalo entre 30 e 36,5 é definido como característico de autismo moderado. O que se apresenta entre 37-60 pontos é definido como autismo grave.
Download da Escala CARS  padronização brasileira:
https://sites.google.com/site/marciocandiani/escala-cars-para-avaliacao-de-autismo
https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/12936/000634977.pdf
  • Escala de Traços Autísticos – ATA (Avaliação de Traços Autísticos) – Ballabriga et al., 1994; adapt. Assumpção et al.,  1999.

Esta escala, embora não tenha o escopo de avaliar especificamente uma função psíquica, é utilizada para avaliação de uma das patologias mais importantes da Psiquiatria Infantil – o Autismo. Seu ponto de corte é de 15. Pontua-se zero se não houver a presença de nenhum sintoma, 1 se houver apenas um sintoma e 2 se houver mais de um sintoma em cada um dos 36 itens, realizando-se uma soma simples dos pontos obtidos.

Download da Escala ATA: http://www.psiquiatriainfantil.com.br/escalas/tracosautisticos.htm

 

  • Avaliação de Tratamentos do Autismo – ATEC (Autism Treatment Evaluation Chechlist) – Bernard Rimland, Ph.D. e Stephen M. Edelson, Ph.D, 1995.

A Checklist de Avaliação do Tratamento do Autismo, ou ATEC, é uma das ferramentas de avaliação mais utilizadas na comunidade do autismo. A lista de verificação é projetada para avaliar a eficácia dos tratamentos, bem como para monitorar como um indivíduo progride ao longo do tempo. O ATEC é usado por pais e pesquisadores, bem como por escolas, clínicas médicas e comportamentais e companhias de seguros. Mais de meio milhão de ATECs foram concluídos nas últimas duas décadas.  O ATEC contém um total de 77 questões classificadas em quatro subescalas: Fala / Linguagem / Comunicação, Sociabilidade, Sensibilidade Sensorial / Cognitiva e Física / Saúde / Comportamento.  Além do inglês, o ATEC está disponível em 20 idiomas diferentes, como português, chinês, tcheco, japonês, francês, italiano e espanhol. 

Instituto de Pesquisa de Autismo – 4182 Adams Avenue, San Diego, CA 92116 – USA.

Fax: (619) 563-6840  www.autism.com

Esta escala não tem padronização brasileira, portanto não é uma escala reconhecida pelo Conselho Federal de Psicologia.

Para responder a Escala ATEC no link oficial dos USA com tradução para o português:

http://www.surveygizmo.com/s3/1329619/Autism-Treatment-Evaluation-Checklist-revised

 

  • Autism Behavior Checklist – ABC ou ICA (Lista de Checagem de Comportamento Autístico) -Krug et al., 1980

O ABC ou ICA é um questionário constituído por 57 itens, elaborados para avaliação de comportamentos autistas em população com retardo mental, que tem ajudado na elaboração de diagnóstico diferencial de autismo.

Esta lista de verificação foi desenvolvida a partir do registro de comportamentos, selecionados de nove instrumentos utilizados para se identificar o autismo.
Os itens desta escala, na forma de descrições comportamentais, foram agrupados em 5 áreas de sintomas: sensorial, relacionamentos, uso do corpo e de objetos, linguagem, e habilidades sociais e de auto-ajuda.
A análise da escala propõe 17 itens comportamentais pontuados com nota 4, que são considerados altamente indicadores de autismo, 17 itens pontuados com nota 3, 16 itens pontuados com nota 2, e 7 itens comportamentais com nota 1, considerados pouco indicadores de autismo.
O resultado médio dos estudos de validação do instrumento  é 78 pontos para o autismo e 44 pontos para o retardo mental grave. O ABC, aparentemente, é capaz de identificar sujeitos com altos níveis de comportamento autista .
Download da Escala ABC padronização brasileira:
https://pt.scribd.com/document/369930015/Escala-Ica-ABC-Pagina-55
  • Autism Diagnostic Observation Schedule – ADOS ou ADOS2  (Protocolo de Observação para Diagnóstico de Autismo) – Lord et al., 1989.
A Escala de Observação para o Diagnóstico de Autismo 2 (ADOS-2) é uma avaliação padronizada e semiestruturada da comunicação, da interação social e jogo ou uso criativo de materiais para pessoas suspeitas de terem Perturbações do Espetro do Autismo. A escala está estruturada em cinco módulos (t, 1, 2, 3 e 4), cada um específico para determinada idade e nível de linguagem.
O ADOS é um protocolo padronizado de observação e avaliação dos comportamentos sociais e da comunicação da criança e do adulto autista, originalmente planejado para pessoas com idade mental de 3 anos ou mais.
O propósito deste roteiro é fornecer uma série de contextos padronizados, visando  a observação do comportamento social e comunicativo de indivíduos com autismo e transtornos relacionados.
A observação comportamental visa satisfazer duas finalidades.
A primeira delas, diagnóstica, distingue autismo de outros portadores de deficiência e de funcionamento normal.
A segunda, de investigação,  estuda diretamente a qualidade dos comportamentos sociais e comunicativos associados com o autismo. Este roteiro de observação consiste em oito tarefas apresentadas pelo examinador, com duração de aproximadamente 20 a 30 minutos.
Há dois jogos de materiais que variam no conteúdo e exigência cognitiva, de acordo com a idade cronológica e nível de desenvolvimento do sujeito.
As codificações dos comportamentos observados em cada tarefa devem ser realizadas imediatamente após a entrevista.
Os comportamentos são classificados em quatro domínios:
  • interação social recíproca;
  • comunicação/linguagem
  • comportamentos estereotipados/restritivos;
  • humor e comportamentos anormais não específicos.
A classificação geral é feita considerando-se uma gradação de três pontos:
0 = dentro dos limites normais;
1 = anormalidade rara ou possível;
2 = anormalidade clara/distinta.

A pontuação 7 é eventualmente usada para indicar comportamento anormal, mas que não é abrangido pela codificação.

Esta escala não tem padronização brasileira portanto não é uma escala reconhecida pelo Conselho Federal de Psicologia.
Encontramos este material somente em português de Portugal e ou em espanhol.
Não temos editoras no Brasil para comercialização deste teste.
Neste link abaixo poderá encontrar a escala para comprar em Portugal, o valor é de 4.028,25 €.
http://oficinadidactica.pt/produto/ados-2-escala-de-observacao-para-o-diagnostico-do-autismo/
  • Autism Diagnostic Interview-Revised – ADI-R (Entrevista Diagnóstica para Autismo Revisada) –  Lord, Rutter, & Le Couteur, 1994.

A aplicação da ADI, que deve ser administrada junto aos pais, com o objetivo de obter descrições detalhadas dos comportamentos que são necessários para o diagnóstico diferencial de TEA. A versão original da ADI foi planejada com propósitos de pesquisa e visando completar a avaliação comportamental de sujeitos com idade cronológica de 5 anos, e idade mental de pelo menos 2 anos. A versão revisada, foi resumida e modificada para adequar-se a crianças com idade mental de aproximadamente 18 meses até a vida adulta, e está vinculada aos critérios do DSM-V e da CID-10.

A ADI-R, consiste numa entrevista estruturada com 93 questões, que permite aos profissionais analisar, através dos pais ou cuidadores, a sintomatologia relacionada com as perturbações do espectro autista.

Incide sobre 3 domínios de maior relevância diagnóstica: Linguagem/ Comunicação; Interação Social; Comportamentos/Interesses Restritos, Repetitivos e Estereotipados.
Para cumprir os critérios diagnósticos esboçados pela CID-10 e pelo DSM-V, o sujeito tem que satisfazer os critérios em cada um dos três domínios citados anteriormente (comunicação, interação social e comportamentos estereotipados), obtendo a pontuação mínima em cada um dos domínios, bem como exibir alguma anormalidade em pelo menos um destes domínios até os 36 meses de idade, obtendo uma pontuação mínima de ”1”.
Além disso, os itens da entrevista que recebem pontuação igual a ”3”, e quando pontuados no algoritmo recebem nota ”2”, para evitar julgamento impróprio de qualquer sintoma único.
Assim, para se fazer um diagnóstico de Autismo Infantil, o comportamento do sujeito deve igualar ou exceder as notas de corte para todos os domínios avaliados.
Esta escala não tem padronização brasileira portanto não é uma escala reconhecida pelo Conselho Federal de Psicologia.
Encontramos este material somente em português de Portugal e ou em espanhol.
Não temos editoras no Brasil para comercialização deste teste.
Neste link abaixo poderá encontrar a escala para comprar em Portugal, o valor é de 174,66 
http://oficinadidactica.pt/produto/adi-r-entrevista-para-o-diagnostico-do-autismo-edicao-revista/
Pesquisa sobre a  validação do ADI-R no Brasil:
http://livros01.livrosgratis.com.br/cp087135.pdf
  • Autism Screening Questionnaire – ASQ ou SQS (Questionário de Triagem para Autismo) – Rutter et al., 1999.
O ASQ consiste em 40 questões extraídas da ADI-R, que foram modificadas para tornarem-se mais compreensíveis aos pais.  Há questões sobre as áreas abordadas pela ADI-R relativas à interação social recíproca, comunicação e linguagem, padrões de comportamento estereotipados e repetitivos, além de questões sobre o funcionamento atual da linguagem.
Duas versões do questionário foram projetadas, uma para crianças menores de 6 anos e outra para crianças com 6 anos ou mais. As questões recebem pontuação “0” para ausência de anormalidade ou “1” para a presença dela.
A pontuação total varia de “0” a “39” para indivíduos com linguagem verbal e até “34” quando as questões sobre linguagem forem inaplicáveis. A nota de corte “15” é considerada pontuação padrão ótima para a diferenciação do transtorno do espectro autístico, e acima de “22” pode diferenciar autismo de outros diagnósticos.
Este questionário foi avaliado e validado para o Brasil por Sato et al. em 2009.
Download Escala ASQ3:
http://www.rio.rj.gov.br/dlstatic/10112/1132535/DLFE-205901.pdf/1.0
  • Inventário Portage Operacionalizado – Williams e Aiello, 2001.
No Portage a criança é avaliada em cinco áreas:socialização, cognição, linguagem, autocuidados e desenvolvimento motor. É específico para a faixa etária de 0 a 6 anos e é composto por 5 áreas: desenvolvimento motor, linguagem, socialização, autocuidados e cognição.
Esta fase é muito importante porque além de coletar informações a respeito da criança e sua família, é o momento de discussão e elaboração do processo de intervenção domiciliar ou escolar. Esta escala é valida no Brasil.
Download Inventário Portage:
https://www.skoob.com.br/livro/pdf/o-inventario-portage-operacionalizado/165127/edicao:184191
  • Perfil Psicoeducacional Revisado – (PEP-R) – Schopler, Reichler, Bashford, Lansing & Marcus, 1990

O PEP-R  é um instrumento de avaliação da idade de desenvolvimento de crianças com autismo ou com outros transtornos da comunicação. Serve como alicerce para a elaboração de um planejamento psicoeducacional de acordo com os pressupostos teóricos do modelo TEACCH. Foi concebido para identificar padrões de aprendizagem irregulares e idiossincráticos, destinando-se a crianças cuja faixa etária vai de um a doze anos. As áreas avaliadas são: coordenação motora ampla, coordenação motora fina, coordenação visuo-motora, percepção, imitação, performance cognitiva e cognição verbal. Para cada área foi desenvolvida um escala específica com tarefas a serem realizadas.  Esta escala é valida no Brasil.

Para adquirir o Teste PEP-R:http://universoautista.com.br/oficial/2015/08/09/o-pep-r/

 

  • Escala Vineland I e II – ECAV – Sara S. SparrowDomenic V. CicchettiDavid A. Balla, 1998.

A Vineland avalia o comportamento adaptativo desde o nascimento até à idade adulta. Os conteúdos e escalas da Vineland-II estão organizados em 4 grandes domínios que se subdividem em 11 subdomínios:

  1. Comunicação – Receptiva, Expressiva e Escrita;
  2. Autonomia – Pessoal, Doméstica e Comunitária;
  3. Socialização – Relações Interpessoais, Lazer e Regras Sociais;
  4. Função Motora – Fina e Global.

A sua aplicabilidade é bastante vasta, justificando-se a sua utilização sempre que seja necessária uma avaliação da funcionalidade do sujeito. Através da Vineland-II é possível avaliar o comportamento adaptativo de indivíduos com:
Déficit intelectual
Déficit ao nível do desenvolvimento
Transtorno do Espectro Autista
Transtorno De Déficit Atenção e Hiperatividade
Traumatismo crânio-encefálico
Doença de Alzheimer/Parkinson

Esta escala não tem padronização brasileira portanto não é uma escala reconhecida pelo Conselho Federal de Psicologia.

Neste link abaixo poderá encontrar a escala para comprar em Portugal, o valor é de 365 

oficinadidactica.pt

Download da Escala Vineland:

https://mundoautista.files.wordpress.com/2010/04/17-vineland-escala-de-comportamento-adaptativo.pdf

  • Modified Checklist for Autism in Toddlers – M-CHAT (Escala para Rastreamento de Autismo Modificada) – Robins DL, Fein D, Barton ML, Green JA, 2001.
A M-CHAT é um instrumento de rastreamento precoce de autismo, que visa identificar indícios desse transtorno em crianças entre 18 e 24 meses.
Pode ser utilizada em todas as crianças durante visitas pediátricas, com objetivo de identificar traços de autismo em crianças de idade precoce.
Os instrumentos de rastreio são úteis para avaliar pessoas que estão aparentemente bem, mas que apresentam alguma doença ou fator de risco para doença, diferentemente daquelas que não apresentam sintomas.
A M-CHAT é extremamente simples e não precisa ser administrada por médicos.
A resposta aos itens da escala leva em conta as observações dos pais com relação ao comportamento da criança.
Essa escala é uma extensão da CHAT, consistindo em 23 questões do tipo sim/não, que deve ser autopreenchida por pais de crianças de 18 a 24 meses de idade, que sejam ao menos alfabetizados e estejam acompanhando o filho em consulta pediátrica.
O formato e os primeiros nove itens do CHAT foram mantidos. As outras 14 questões foram desenvolvidas com base em lista de sintomas freqüentemente presentes em crianças com autismo.
Resultados superiores a “3” (falha em 3 itens no total) ou em “2” dos itens considerados críticos (2,7,9,13,14,15), após confirmação, justificam uma avaliação formal.
Foi traduzida e adaptada para português no Brasil por Mirella Fiuza Losapio e Milena Pereira Pondé, 2008.
Download da Escala M-CHAT padronização brasileira:
Além dessas ferramentas de avaliação citadas acima, ainda existem outras escalas:
  • Behavioural Observation Scale for Autism de Freeman – BOS
  • Echelle d`évaluation des Comportements Autistiques – ECA

O BOS – é um instrumento desenvolvido com o objetivo de investigar o grau de severidade dos autistas em níveis comportamentais. A metodologia desta escala compreende a observação por filmagem da criança em contexto de brincadeira ou jogo com brinquedos adequados à sua idade.

O ECA – é um procedimento de avaliação contínua, utilizado por todas as pessoas que trabalham com a criança e que aborda os domínios da comunicação, percepção e imitação.