Discalculia é definida como dificuldade em adquirir habilidades aritméticas básicas que não são explicadas por baixa inteligência ou escolaridade inadequada. Cerca de 5% das crianças nas escolas primárias são afetadas. A discalculia não melhora sem tratamento psicopedagógico e terapêutico.

Os Transtornos Específicos do Desenvolvimento das Habilidades em Aritmética, chamado aqui de Discalculia é definido como uma desordem neurológica específica que afeta a habilidade de uma pessoa de compreender e manipular números. Para ser classificada como discalculia não pode ser causada por problemas na visão e/ou audição e ou deficiência intelectual.

Discalculia indicadores sutis dos sintomas:

  • Usando os dedos para contar soluções matemáticas, muito tempo depois que os colegas pararam de usar esse método
  • Problemas para recordar fatos matemáticos básicos
  • Dificuldade em vincular números e símbolos a quantidades e direções
  • Dificuldade em entender o dinheiro (entregar ao caixa um punhado de notas e troco em vez de contar, por exemplo)
  • Não é possível saber a hora em um relógio analógico
  • Dificuldade de resolver imediatamente da direita para a esquerda
  • Problemas no reconhecimento de padrões e números de sequência

O termo Discalculia é usado frequentemente ao consultar especificamente à inabilidade de executar operações matemáticas ou aritméticas, mas é definido por alguns profissionais educacionais como uma inabilidade mais fundamental para conceitualizar números como um conceito abstrato de quantidades comparativas e problemas específicos com matemática, tempo, medida, entender tabelas, números, sinais das operações, etc.

As estimativas variam, mas a maioria dos especialistas acredita que 5 a 7% da população apresenta sintomas de discalculia. A discalculia como dislexia tem uma forte associação com mulheres com Síndrome de Turner – uma condição em que um cromossomo X está parcial ou completamente ausente – embora o motivo exato do vínculo não seja totalmente compreendido. Também pode ter comorbidade associada com o TDAH.

Essa dificuldade de aprendizado de matemática é quase tão comum quanto a dislexia, porém é estudada muito menos, entendida muito pior e diagnosticada de forma inconsistente.

Na sua essência, a discalculia do desenvolvimento é uma incapacidade de processar e representar numerais de uma maneira típica.

Este é um distúrbio do desenvolvimento e começa muito antes da educação infantil; os primeiros sinais levam a dificuldades em aprender expressões numéricas, como problemas de cálculo e retê-las na memória.

Uma má compreensão das quantidades subjacentes também pode significar que um indivíduo precisa de mais memória de trabalho para concluir um cálculo, que sobrecarrega o cérebro de maneira observável. Isso significa que o risco de discalculia pode – e deve – ser rastreado antes que uma criança aprenda aritmética.

No Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), a discalculia aparece sob o termo geral distúrbio de aprendizagem que é definido como um distúrbio do neurodesenvolvimento com origens biológicas que se manifesta em dificuldades de aprendizagem e problemas na aquisição acentuada de habilidades acadêmicas abaixo da faixa etária e manifestada nos primeiros anos da escola, com duração de pelo menos seis meses, não atribuída a deficiências intelectuais, distúrbios do desenvolvimento ou distúrbios neurológicos ou motores.

As características específicas de uma dificuldade de aprendizagem em matemática incluem dificuldade com senso numérico, fato e cálculo e raciocínio matemático.

Uma criança pode apresentar várias deficiências, mas, para merecer um diagnóstico de discalculia do desenvolvimento, ela deve ter dificuldade persistente (não transitória) na aquisição de conceitos matemáticos básicos. Uma criança que não está prestando atenção em uma classe específica ou que não entende um conceito específico provavelmente não se qualificará.

Duas características da discalculia do desenvolvimento são:

  1. O uso de procedimentos de contagem imaturos para resolver problemas aritméticos simples. 
  2. Incapacidade persistente de recuperar fatos aritméticos da memória.

Por exemplo, crianças com discalculia do desenvolvimento geralmente levam mais tempo do que seus pares para concluir avaliações matemáticas e ou operações de adição, subtração e usam “muletas”, como contar nos dedos muito tempo depois que seus colegas começaram a extrair fatos matemáticos da memória. Eles lutam para passar de estratégias baseadas em contagem para estratégias baseadas em memória e cometem erros frequentes no procedimento de contagem.

Crianças com discalculia do desenvolvimento podem não ter dificuldades em todos os domínios da matemática; o cálculo é o ponto de discórdia mais prevalente. Mais recentemente, a pesquisa começou a sondar além da memória de trabalho para entender as causas específicas de domínio dos problemas de processamento de números, as quais discutimos abaixo.

Ansiedade e discalculia em matemática andam de mãos dadas, mas não são a mesma coisa. O primeiro é bastante prevalente, e suas características são fatores emocionais – não necessariamente cognitivos.  Os médicos também devem considerar a aptidão e as emoções do aluno, uma vez que a ansiedade matemática pode afetar drasticamente o desempenho.

Muitas crianças e adolescentes com discalculia têm disfunção cognitiva associada (por exemplo, comprometimento da memória de trabalho e habilidades visuoespaciais), e 20% a 60% das pessoas afetadas têm distúrbios comórbidos, como dislexia ou déficit de atenção.

Os poucos estudos de intervenção publicados até o momento documentam a eficácia de intervenções psicopedagógicas e terapêuticas direcionadas a áreas problemáticas específicas.

O tratamento é adaptado ao perfil funcional cognitivo do paciente e à gravidade das manifestações. Às vezes, também é necessária psicoterapia e / ou medicação.

A identificação e o tratamento precoces da discalculia são muito importantes, devido à sua associação frequente com transtornos mentais. Os pacientes precisam de uma avaliação diagnóstica completa, neuropsicologicamente orientada, que leve em consideração a complexidade da discalculia e seus múltiplos fenótipos e, assim, possa fornecer uma base para o planejamento de um tratamento eficaz.

Os pais devem procurar um psicólogo especialista em aprendizagem, neuropsicólogo ou psicopedagogo. Também podem passar a criança ou adolescente por um neurologista infantil para fazer diagnóstico de exclusão.

No caso de adultos com suspeita de discalculia, procurar um neurologista, psicólogo especialista em aprendizagem, neuropsicólogo e psicopedagogo.

No caso de um profissional psicólogo também pode procurar outras questões que possam ter um impacto. Estes incluem TDAH e problemas de saúde mental (ansiedade e depressão), questões genéticas e hereditárias, funcionamento familiar, etc.

Um diagnóstico permite que a criança obtenha apoio e serviços diferenciados na escola. Ela pode obter instruções especiais em matemática, por exemplo, segundo as leis que garantem o direito ao Sistema Inclusivo (Lei de Inclusão). Ela também pode obter recursos de acessibilidade para facilitar a aprendizagem de matemática.

Indicadores de sintomas na escola:

Pré-escola

Tem dificuldade em aprender a contar e ignorar números muito tempo depois que as crianças da mesma idade podem se lembrar de números na ordem correta.

Apresenta grande dificuldade para reconhecer padrões, como menores a maiores ou mais altos a mais curtos.

Tem problemas para reconhecer símbolos numéricos (dificuldade para compreender  que “7” significa sete).

Não parece entender o significado da contagem.

Ensino Fundamental

Tem dificuldade em aprender e lembrar fatos matemáticos básicos, como 2 + 4 = 6.

Sofre para identificar +, – e outros sinais, e para usá-los corretamente.

Pode ainda usar os dedos para contar em vez de usar estratégias mais avançadas, como a matemática mental.

Luta para entender palavras relacionadas a matemática, como maior e menor que.

Tem problemas com representações visuais e espaciais de números, como linhas numéricas.

Ensino médio

Tem dificuldade em entender valores

Tem problemas para escrever números claramente ou colocá-los na ordem correta.

Tem problemas com frações e com medidas

Encontra dificuldade em acompanhar a pontuação em jogos esportivos.

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

Agendamento para consultas presenciais em consultório:

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Whatsapp (13) 991773793

Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

Agendamento para consultas de psicoterapia on-line:

Psicóloga Marina Almeida

Licenciada pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

Email: casa@casadosinsights.com.br

WhatsApp (11) 94940-0065

https://casadosinsights.com.br/