A natureza da avaliação neuropsicológica da epilepsia na infância e adolescência é indicada: quando as crianças ou jovens estão enfrentando dificuldades cognitivas, tais como dificuldades na aprendizagem, alterações na atenção e memorização, além dos aspectos comportamentais e emocionais alterados, dificuldades nos relacionamentos sociais e indicada a avaliação neuropsicológica no pré e pós operatório de cirurgia neurológica.

As informações decorrentes da avaliação neuropsicológica podem auxiliar os educadores, cuidadores, pais, profissionais de saúde e da psicologia a tomar decisões sobre que linha de avaliação é mais indicada às necessidades da criança, que possua dificuldades neuropsicológicas.

Embora a capacidade intelectual geral em crianças com epilepsia seja comparável à população normal da infância, elas correm maior risco de problemas de aprendizagem e conquistas acadêmicas.

  • Mesmo em crianças com inteligência normal, os relatos de déficits em áreas específicas relacionadas às habilidades de pensamento e aprendizagem são comuns, particularmente nas áreas de atenção e concentração, memória, habilidades organizacionais e desempenho acadêmico.
  • De fato, muitas crianças e jovens não se encaixam na definição típica da escola de dificuldades de aprendizagem, pois suas habilidades de leitura, ortografia e matemática podem ser adequadamente desenvolvidas. No entanto, eles têm desafios significativos para a aprendizagem devido às áreas específicas de vulnerabilidade descritas acima.
  • Enquanto algumas crianças e jovens com epilepsia têm problemas globais de aprendizagem (atraso no desenvolvimento) causadas por anormalidades cerebrais extensas, muitas vezes essas crianças têm uma variedade de problemas específicos de aprendizagem que podem ser atribuídos a uma anormalidade cerebral focal. Por exemplo, crianças com cicatriz na parte central do lobo temporal (esclerose temporal mesial) podem ter problemas de memória auditiva ou visuais de curto prazo.
  • Outros fatores como convulsões, AEDs e fadiga também podem contribuir para problemas de aprendizagem transitória. Por exemplo, convulsões e fadiga ou confusão pós-convulsão (estado pós-ictal) podem interromper a aprendizagem por minutos ou horas.
  • Embora as convulsões visíveis interrompam a aprendizagem, há algumas evidências de que as descargas epileptiformes que ocorrem no cérebro entre convulsões (atividade interictal) também podem interromper a aprendizagem. Isso é referido como Impedimento Cognitivo Transitório – TCI.
  • Algumas crianças com epilepsia mal controlada citam a fadiga como um fator importante que diminuiu sua disponibilidade para aprender na escola. É provável que essas interrupções transitórias na aprendizagem destas crianças sejam entendidas pelos pais e professores como um desempenho acadêmico instável no dia-a-dia.
  • As estratégias de ensino e aprendizagem que levam em conta o perfil de aprendizagem dinâmico dessas crianças, por exemplo, programas intensivos que utilizam técnicas de instrução repetitiva, são fundamentais para o sucesso acadêmico da criança.

ASPECTOS EMOCIONAIS E COMPORTAMENTAIS

As dificuldades emocionais e comportamentais também são desproporcionalmente altas em crianças com epilepsia. Por exemplo, os distúrbios psiquiátricos foram identificados em 34,6% das crianças com convulsões, em comparação com 6,6% na população geral e 11,6% em crianças com outras doenças crônicas.

  • Algumas das dificuldades emocionais e comportamentais mais frequentes observadas nessas crianças incluem: aumento da ansiedade, depressão, irritabilidade, hiperatividade, agressão e, em alguns casos, períodos irracionais de raiva.
  • Em um estudo mais recente o comportamento em crianças nos 6 meses anteriores a uma primeira apreensão reconhecida, 24,6% das crianças apresentaram taxas de problemas comportamentais mais altas do que esperado (particularmente dificuldades de atenção). Este achado sugere que a epilepsia é uma doença mais complexa que pode se manifestar com distúrbios comportamentais, bem como convulsões.
  • Em uma pequena proporção dessas crianças, a agressão verbal ou comportamental pode ocorrer espontaneamente com mínima ou nenhuma provocação. Há uma escassez de pesquisas que exploram a agressão espontânea intermitente em crianças com epilepsia e os mecanismos subjacentes à agressão nessas crianças são mal compreendidos.
  • Aicardi propôs um mecanismo causal para distúrbios comportamentais, sugerindo que as descargas epileptiformes no cérebro podem produzir desorganização da função cerebral que então afeta o comportamento. Os autores sugerem que a agressão comportamental pode resultar de certas regiões anormais do cérebro que produzem atividade epiléptica ou podem ser agravadas pelos efeitos da terapia antiepiléptica.

Muitos pais descrevem uma variedade de cenários em que eles observaram mudanças no humor de seus filhos, acompanhadas de agressão aumentada.

  1. A queixa mais citada é que a introdução ou altas doses de certos medicamentos antiepilépticos coincidem com mudanças comportamentais, incluindo irritabilidade, agressão verbal ou mesmo física. Por exemplo, isso pode assumir a forma de uma criança mais nova bater outras crianças. Se os efeitos colaterais comportamentais forem intoleráveis, reduzir ou interromper a medicação antiepiléptica, enquanto que adicionar outra medicação pode ser necessária.
  2. Em segundo lugar, mudanças comportamentais, como aumento da irritabilidade e agressão verbal ou física, muitas vezes indicam o início de uma convulsão. Essas mudanças comportamentais podem ocorrer minutos a dias antes de uma convulsão. Durante este período ”certos” desencadeantes (estímulos) podem irritar a criança, produzindo maior frustração ou agressão. Portanto, pode ser prudente reduzir a estimulação no ambiente escolar durante este período, por exemplo, diminuindo a carga de trabalho escolar.
  3. O terceiro cenário compreende um grupo menor de crianças que experimentam surtos repentinos de agressão verbal ou física. Essas crianças apresentam desafios especiais aos profissionais da família, escola e saúde.

Caracteristicamente, o episódio de comportamento agressivo pode aparecer com mínima ou nenhuma provocação e pode continuar por algum tempo.

  • Entrevistas com crianças, pais e professores sugerem uma trajetória de agressão verbal ou física episódica. Parece que a criança percebe uma situação como nociva. Por exemplo, algumas crianças com epilepsia podem ter uma audição muito sensível.
  • Ruídos altos ou um número confuso de ruídos na sala de aula podem precipitar um comportamento explosivo. Uma vez que o gatilho estimula uma sensação de raiva, é difícil para essas crianças “colocar os freios”. Não é que elas “não” controlem sua agressão, antes, as crianças nos dizem que “não podem” controlar as explosões agressivas.
  • Os pais relatam que as crianças geralmente experimentam remorso após uma explosão agressiva. As crianças geralmente repreendem-se, por exemplo, dizendo: “Eu sou uma pessoa ruim”.
  • As intervenções que se concentram em remover imediatamente o estímulo / gatilho, ou remover a criança do estímulo, às vezes podem difundir sua raiva e explosão.
  • Essas crianças que apresentam descontrole da agressão não respondem às estratégias padrão de manejo comportamental ou restrição isolada. Em vez disso, pode justificar-se uma combinação de estratégias, incluindo avaliação e acompanhamento por psiquiatria, e intervenções como medicamentos psicotrópicos e / ou terapia comportamental intensiva.

ASPECTOS SOCIAIS

A participação em atividades físicas e no envolvimento social com colegas é particularmente importante durante o desenvolvimento da infância. No entanto, as famílias de crianças com epilepsia, frequentemente ouvimos que as convulsões e os problemas secundários associados, muitas vezes excluem as crianças da participação plena em experiências acadêmicas, recreativas e sociais.

  • A preocupação com a segurança da criança pode levar à restrição das atividades escolares normais, que a maioria das crianças dá por garantida. Isso aumenta o senso de isolamento social da criança.
  • O isolamento dessas importantes experiências de aprendizagem social aumenta ainda mais uma percepção negativa de si mesmo, informando a criança, que ela não é “normal”.
  • É importante que os pais defendam apoio extra na escola para facilitar a participação da criança nas atividades escolares (por exemplo, playground, academia) que facilitam as interações com outras crianças.
  • O envolvimento nas atividades escolares é primordial para promover um sentimento de bem-estar emocional bem como, promovendo o desenvolvimento social e físico.
  • Em termos práticos, o estigma associado à epilepsia e a insensibilidade dos outros também são estressores que afetam as respostas comportamentais emocionais e adaptativas nessas crianças.
  • Muitas destas crianças são excluídas das atividades com colegas de classe; e às vezes suspenso da escola devido a problemas comportamentais. Esses fatores reforçam ainda mais a visão negativa da criança sobre si mesma e a alienam das experiências sociais e de aprendizagem usuais que promovem a autoestima e o desenvolvimento social normal.

Aqui no Instituto Inclusão Brasil, fazemos avaliação neuropsicológica para pessoas com epilepsia.

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br